sexta-feira, 17 de julho de 2015

FIM DE JULHO





Meio de julho
E o frio
Que era presente
Se vai
Esvai
Gota a gota
Anunciando
Agosto

Já canta
A sabiá
No fundo
Da grota
Enquanto
Julho acaba
E o gosto
Do vento
Se esgota

Já eu
Dia após dia
Contraceno
Numa eterna
Despedida
O adeus
Nada terno
Ao inverno
Dessa vida
E nada mais
Me importa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário