quarta-feira, 29 de maio de 2013

10021980 23:30


Na noite mais escura
Vi pela primeira vez
A moribunda luz
Nada mais foi dito
De um lado apenas gemidos
Dor daquela que me pariu

Depois vieram os dias
O tempo lascado na pele
E os espelhos o vivente a negar
Deixei perdidas sementes
E mais nada fiz

Quando minha letra vejo
Rascunhada nesse chão
Vejo o quão generoso é
O deus que eu não creio
Pois a mim muito mais que borrão
Livre de freios me fez

Da mais escura noite
Do mais amargo chicote
Da solidão tão absurda
Eu vi a luz

Depois parti.

domingo, 26 de maio de 2013

Quando minha alma fala...

Pedaço de Alma



Quando se quer algo
Se deseja do fundo do coração
Se nega todas as mesmices
Se vai longe...

Dirá que é paixão
Dirá que é loucura
Dirá que poderá não valer a pena
Dirá tantas coisas...

Então nada mais importa
O dia vira noite
A noite vira eternidade
O tempo se esvai...

O que dizer agora?
Quem irá me proteger?
Quais medos lhe assustam?
Qual verdade é mais doce?

Eu vou...
Em um voo só
Voando depois do meio-dia
Chegando antes da hora
E com o coração a mil
Desejando o seu abraço

Deixarei vales
Conceitos
Estabilidades
E passos de minha história

Num beijo de desequilíbrio
Num lapso de realização
Num sopro de sudoeste
Eu vou

Em um voo só
Mas não mais sozinho
Junto ao pedaço de alma

Que me faltava.