sábado, 16 de fevereiro de 2013

Marquês de Sade


"...e que nada nem ninguém é mais importante do que nós próprios. E não devemos negar-nos nenhum prazer, nenhuma experiência, nenhuma satisfação, desculpando-nos com a moral, a religião ou os costumes."


(Marquês de Sade)


Animal




Voa pardal
Pendura-te no fio
Faz dele varal
Mas cuidado
Ave desavisada
Elétricos fios
Podem queimar
E derreter
Num pio
Teu pedestal

Cuidado ave boçal
Nem asas de morcego
Poderão te valer
Quando aproximares
Num raio de dor
O que realmente pode ser
Cairá chamuscada
Queimada e sem pé
Mas, não te preocupas
Ainda não será o teu funeral
Pagarás caro
Em moedas
Trazidas de teu próprio lamaçal

Voa, voa pardalzinho...
Quebraram-te a asa não foi?
Queimaram-te o ninho
Pobre avezinha
Padecerá
Ah se padecerá
Sem jamais saber o que é carinho

Teu pedestal?
Arrogante ave
Será o claustro
Queimado
De tua própria carne
De animal.