quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Quando tudo faz sentido


Como eu gosto da Lua,



e do pôr-do-Sol visto da varanda.


Tantos são os meus caminhos,


e mesmo assim ainda me encontro no avesso das coisas.


Como eu gosto das nuvens brancas,


mas jamais quero passar pela vida de semelhante alvura.


Quero saber perder folhas no frio,


para poder ter sentido quando elas voltarem a balançar sob o vento.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012




Lindo linho
Vermelho de pura cor
Testemunha amarrotada
Do nosso amor
Deixado em um canto qualquer
Lençol de meu calor.

Ele passa e lhe usa
Embrulha o corpo nu
Cobre a imagem e não recusa
Meu olhar,
naquele que amo sem pudor.

Não permito tal intento
Derrubo-o com um só beijo
Face rubra ao toque meu
Cai o lindo linho
E acendo em fervor
O corpo
De meu amor.

Venda e Vida



(O que você vê?)

Perfeição
Metrificado
Padrão

E o olhos
Erguidos
Ao azul
Por um segundo

Estrelas nascendo
Outras nem tanto
Longe
Muito distante da massificação

Acordou de manhã
Acendeu a chama
E foi pro trabalho
Em busca do pão
Dia após dia
Trocou saúde,
Vida,
Tempo,
Amor...

Vendeu e comprou
Até não mais ver
E não dormiu mais
Alienou-se
Integrou-se
Junto à massa
Massificando-se pra sempre

Desintegrou-se
Na busca da perfeição
Metrificação
Do padrão.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Sob a Sombra da Poesia



Não acredito na sanidade
Nada poderá ser...
A sombra se estende
Sobre mim mesmo
Sobre o instrumento mais belo:
___A poesia!

Se não acreditar em algo bom
Tudo vira loucura
E a barbárie instala no coração,
Que estava a poetar
Então morre o sonho:
___Sem poesia!

Eu não entendo
Corre uma lágrima lenta
Fria e sem concórdia
Sem nada
Gelando os passos escritos
Finda assim o mais belo:
___A poesia!