domingo, 28 de outubro de 2012

Prefeita Rainha



A galinha d'angola
Falsa fraca no gingado
Cantava
Como tava

Tô fraca
Tô fraca
Tô fraca

Não tem medo
Fraqueza não é sina
Cantar é o fardo
Da galinha d’angola


E ela assim mesmo
canta
Seguindo o destino
De sua suposta fracura

Tô fraca
Tô fraca
Tô fraca

Esperta essa é
Política nata
Trajando vestido de gala
No terreiro mandava
Com seu discurso:

Tô fraca
Tô fraca
Tô fraca


Fraca nada
É só frescura
Ágil d’angola
Dança capoeira
Cisca e belisca
Bica a risca toda oposição
Voa ligeira
Nunca tem medo
De aliado gavião

E em sua postura
De dama das aves
Humilde aos olhos
Dos gansos e canários
Discursava emocionada
Pós eleição

Tô fraca
Tô fraca
Tô fraca

Eleita foi
Em primeiro turno
Com esmagadora vantagem
D’angola é agora
Prefeita Rainha
Da monarquia recém
Decretada

E canta
E dança
E se lambuza
Somente pr’alguns

Tô fraca nada
Fraca tô nada
Nada fraca tô
Azar de quem
Em mim votô.



domingo, 14 de outubro de 2012

Pena de Gavião

(Galizé)

Olha a pena
Do céu Caída
Carece cuidado
Pode ser armadilha.

Olha o alto
Sol forte que cega
__Prudência amigos!
Sombra pode ser um alerta.

Olha a pena
Não parece nada bom
É pena de alada serpente
É pena de gavião?

( Ubiratã e Formoso)

 













Voa d’angola
Corre Carijó
Escapa Zuleica
Correria foi de dá dó!

Olha o silêncio
Falta mais um __Essa não!
Raptados pintinhos no susto
Sem pena pelo malvado gavião.

(Hércules)