sábado, 17 de setembro de 2011

Andanças

Andava na noite feito andarilho,
Feito giramundo
Meus pés pisavam o chão frio da madrugada,
Meu rosto sentia o beijo da chuva fina
Andava sem rumo
Quase não andava
Parava sempre
Pra sentir o momento
Mentecapto eu?
Poeta eu?
Eu andava distante dos problemas, da vida alienada.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Quando o amor termina

 
Eu amei mais que podia
O meu amor era um segredo
Com medo da luz do dia
Amei até o fim desse enredo

Quando tudo parecia certo
Um lapso de dúvida surgiu
Tirou-me você de perto
O sonho vital então sumiu

Levou-me todo o Sol
Cegou-me cada momento
Do revolto mar sem farol
Padeci  no profundo desalento

Eu amei mais que podia
E com a perda sofri
Findou-se o amor da poesia
Dos versos que escrevi

Por mais triste que seja
Agora é fácil tudo aceitar
Não há o que eu não veja
Amor que estava a desvendar

Sonhei com o amanhã
Amei-o e isso é valia
Mesmo com fim de nosso afã
Amei mais que podia.